quarta-feira, 19 de julho de 2017

*

Confesso que foi na primeira vez que me sentei ao teu lado a ouvir mar que soube que te queria na minha vida. Deixei-me ficar uma tarde ao teu lado e quando dei por mim não quis ficar muito tempo longe de ti. Queria conhecer cada vez mais a pessoa que viria a ser uma das mais bonitas da minha vida, que me surpreende sempre mais um bocadinho. Que me fez acreditar outra vez.
Não temos uma história cheia de drama como nos filmes que me fazem chorar, nem tenho muito a contar sobre os obstáculos que enfrentamos. Amei-te no instante em que me fizeste sorrir. É tão simples quanto isto. E como eu não sabia o quão simples podia ser o amor, não acreditava que pudesse chegar para mim. Nem que podia ter um bocadinho de lamechice e alegria, aquelas em que reparava quando observava o mundo à minha volta. Esse mundo que não tinha amor. Nem palavras bonitas,que sempre gostei de escrever. Esse mundo que não tinha o que eu sonhava ter. E eu, que sempre fui uma romântica escondida por de trás dos medos e das inseguranças que a vida me trouxe.
Mas depois de tantas voltas a vida decidiu trazer-me algo que me faz acreditar que a espera valeu a pena. O teu respeito. O teu sorriso. O teu mau feitio. O teu companheirismo.
Confesso que é muito bom gostar de mim, gostando de ti ao mesmo tempo. Acho que nunca soube bem como fazer isso. E é uma das coisas que me ensinas também todos os dias. A ter amor por mim, por ti, pela vida, por tudo o que me rodeia. 
Confesso que foi na primeira vez que me sentei ao teu lado a ouvir mar que soube quem eras. E que bom poder conhecer alguém tão bonito como tu.

Fazes de mim uma pessoa de amor. Estou-te grata por isso.